Parceria poderá ajudar a manter documentos históricos de Dourados

A Câmara Municipal de Dourados realiza um processo de digitalização de documentos históricos. Essa ação faz parte de atividades de modernização da máquina pública e nesse processo alguns documentos no prazo decadencial seriam incinerados, o que motivou o interesse de historiadores pela questão.
O vereador Mauricio Lemes, que é formado em História, foi procurado pelo professor da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Paulo Roberto Cimó Queiroz, que propôs uma análise que ajudaria na manutenção do arquivo. A reivindicação foi levada ao presidente da Câmara, Idenor Machado, em uma reunião no último dia 29.

Segundo Idenor, os papéis estão à disposição do professor para que ele possa conhecer o teor da documentação. "Esse material é valioso. Mesmo documentos de expedientes são históricos", declarou Cimó.
ARQUIVO MUNICIPAL
O próximo passo é a realização de um projeto para obter um local estruturado, inclusive com um arquivista, que mantenha o conhecido como "Arquivo Morto" do município, que contemplaria também os arquivos da Câmara. Seria uma parceria entre a universidade e a administração municipal.
Mauricio, Cimó e Idenor formaram uma parceria para lutarem por esse espaço. "Esses registros históricos são essenciais para reconhecer a trajetória de Dourados e é importante que seja organizado e aberto para a análise de estudantes ou de qualquer pessoa interessada", finalizou Mauricio.

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados