UFGD tem curso inédito em MS: Doutorado em Biotecnologia e Biodiversidade


Linhas de pesquisa vão abordar biomas Cerrado e Pantanal: Ciência, Tecnologia e Inovação da Região Centro Oeste; Bioeconomia e Conservação dos Recursos Naturais e Produtos, Processos e Serviços Biotecnológicos.
A Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD, como integrante da Rede Centro-Oeste de Pós-graduação, Pesquisa e Inovação (Rede Pró Centro-Oeste), vai oferecer o primeiro programa de Doutorado em Biotecnologia e Biodiversidade de Mato Grosso do Sul. O curso será ministrado em conjunto com outras instituições de ensino e pesquisa da região Centro-Oeste.
Voltado a pesquisadores de áreas diversas como Química, Biologia, Gestão Ambiental, entre outras, o programa de Doutorado foi aprovado em setembro de 2012 pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e terá sua turma inicial no primeiro semestre de 2013. O edital tem previsão de publicação para os primeiros meses do ano e vai contemplar 60 acadêmicos de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal, estados que têm instituições participantes na Rede. É o primeiro programa de doutorado em Biotecnologia e Biodiversidade a ser ofertado no estado, configurado desta forma.

As aulas serão ministradas de maneira que as maiores turmas receberão os professores de cada disciplina e alunos de outros estados. Serão seguidas as linhas de pesquisa já adotadas pela Rede e que visam o desenvolvimento dos biomas Cerrado e Pantanal: Ciência, Tecnologia e Inovação para Sustentabilidade da Região Centro Oeste; Bioeconomia e Conservação dos Recursos Naturais e Desenvolvimento de Produtos, Processos e Serviços Biotecnológicos.
Conforme o coordenador do programa na UFGD, professor doutor Nelson Luis de Campos Domingues, a área de Biotecnologia e Biodiversidade em Mato Grosso do Sul tem grande potencial, que ainda não está sendo totalmente desenvolvido.
"O doutorado é importante, pois temos pesquisadores de alto nível interessados em trabalhar aqui, ainda mais nos biomas Cerrado e Pantanal", explica, dizendo que desde que foi divulgada a aprovação do programa a procura por informações por parte de acadêmicos e pesquisadores tem sido grande.
O professor esclarece que um dos objetivos da Rede é que o doutorado se inicie em conjunto, mas vá se solidificando para que futuramente cada instituição tenha seu próprio programa na área de Biotecnologia e Biodiversidade.
A Rede Pró Centro-Oeste – Instituída em 2009, congrega instituições de ensino e pesquisa dos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e do Distrito Federal, suas respectivas Secretarias de Estado de Ciência e Tecnologia e Fundações de Amparo à Pesquisa. Ela tem prazo de duração de cinco anos, desde que foi criada, mas poderá ser renovada a critério do ministro de Estado de Ciência e Tecnologia.
Com a sua instituição foram planejadas a produção de conhecimento, com as pesquisas que já vêm sendo desenvolvidas com vistas à conservação e ao uso sustentável dos recursos naturais do Cerrado e do Pantanal, e a formação de recursos humanos, este segundo item agora contemplado com a criação do programa de doutorado multi-institucional.

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados