Diretores pedem e Murilo concorda com jornada de 6 horas para administrativos

O prefeito Murilo voltou a se reunir na manhã desta quinta-feira com os diretores das escolas municipais de Dourados. Durante a reunião, no auditório da Secretaria de Educação, os diretores decidiram adotar o expediente de 6 horas para os administrativos efetivos. O prefeito concordou com a decisão, mas com a condição de que não pode ter aumento nos gastos e o expediente terá de ser cumprido pelos servidores já lotados nas escolas.

Ao lado da secretária de Educação Marinisia Mizoguchi, o prefeito voltou a informar aos diretores que vem conversando constantemente com a categoria e as pautas dos professores são as mesmas da prefeitura, "pois nosso objetivo é garantir melhores condições aos nossos educadores".


Murilo informou aos diretores que o compromisso de pagar o piso nacional, feito no ano passado, foi mais uma vez cumprido, com a lei aprovada pela Câmara de Vereadores na semana passada, definindo salário de R$ 1.567,00 para 40 horas semanais, mais a regência.

Em relação à 1/3 de hora atividade, conforme o prefeito, o projeto já foi elaborado e está em poder da diretoria do Simted. No momento que for aprovado na Câmara, entrará em vigor com efeitos retroativos a janeiro deste ano.

"Não vejo motivo nenhum para os professores estarem em greve. Sobre as demais reivindicações, estamos conversando com a categoria. Os projetos pedagógicos estão sendo implantados", afirmou o prefeito aos diretores.

A diretora da Escola Municipal Clarice Bastos Rosa, Deumeires Batista de Morais, afirma que as escolas conseguem se readaptar à escala de seis horas com o mesmo quadro de funcionários, tendo em vista que há cerca de um ano isso já acontecia. "Claro que o município vive um quadro deficiente de servidores, mas já propomos ao prefeito a realização de um novo concurso público", disse ela.

O diretor da Escola Municipal Iria Lucia Wilhelm Kozen, localizada no Jardim Flórida, Donizeti Felipe, também achou a proposta excelente e acredita no fim do impasse. "Eles querem trabalhar em um turno de seis horas, então tenho convicção que vão conseguir adequar o serviço para isso", afirmou.

Luiz Flores, diretor da Escola Municipal Padre Anchieta, de Vila Formosa, tem opinião semelhante. "Se até pouco tempo os mesmos servidores faziam o serviço em seis horas, então eles conseguirão agora. Não há o que questionar, os servidores querem a escala de seis horas, então certamente vão se adequar e dar conta do serviço". 

No entanto, antes da decisão definitiva, Murilo propôs que os diretores façam uma reunião com os servidores de cada instituição e ouçam suas opiniões.

Legenda: Murilo em reunião com diretores de escolas; por sugestão dos diretores, prefeito concordou com volta da jornada de seis horas para os administrativos efetivos
Crédito: A. Frota

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados