Embrapa: Projeto Aquasec reúne pesquisa para padronização de sanidade aquícola


Pesquisadores e professores de universidades de diversas localidades do Brasil estão reunidos em Dourados, Mato Grosso do Sul, de 3 a 8 de junho, na Embrapa Agropecuária Oeste, Unidade de Pesquisa vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O objetivo é a reunião no "Workshop em Técnicas de Diagnóstico em Sanidade Aquícola" para padronizar metodologias do projeto Aquasec. O projeto, aprovado em edital do CNPq/MPA em dezembro de 2012, tem como foco o estudo epidemiológico das principais enfermidades bacterianas, virais e parasitárias de tambaquis, nos principais polos de produção na região do Amazonas (Rio Preto da Eva), Alagoas e Sergipe (Baixo São Francisco); e de pacus, na região da Grande Dourados/MS.



"Projetos com atividades a campo necessitam de um bom planejamento para evitar falhas no decorrer do processo. A padronização vai garantir o sucesso desde a primeira coleta", afirma a coordenadora técnica do evento e pesquisadora da Embrapa Agropecuária Oeste, Márcia Mayumi Ishikawa.

A pesquisadora ressalta que o workshop também é a oportunidade dos pesquisadores e professores conhecerem o trabalho e os desafios da piscicultura na região da Grande Dourados. "Os piscicultores poderão mostrar à equipe de pesquisa quais são as demandas do setor produtivo dessa região. E a pesquisa poderá mostrar o que estão realizando, quais projetos estão em execução e quais poderão ser executados, com propostas de soluções", afirma Márcia.

Para o chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Fernando Mendes Lamas, eventos como este são mais uma oportunidade de crescimento do setor. Lembrou que o país possui uma extensão de 8,5 km de costa marítima, 12% de água doce do mundo e diversos reservatórios hidrelétricos brasileiros com potencial de produção aquícola. "Atualmente, a média de consumo de pescado no Brasil é da ordem de 9 kg/habitante/ano, enquanto o ideal é de 12 kg/habitante/ano. Temos água, política de incentivo, pesquisa e massa crítica, tudo que precisamos para avançar", incentiva Lamas.

Participantes
Fazem parte do projeto Aquasec as Unidades da Embrapa (Agropecuária Oeste – Dourados, MS; Embrapa Amapá – Macapá, Amapá; Amazônia Ocidental – Manaus, Amazonas; Meio Norte – Teresina, Piauí; Pesca e Aquicultura – Palmas, Tocantins; Embrapa Roraima – Boa Vista, Roraima; Tabuleiros Costeiros – Aracaju, Sergipe; e a Embrapa Labex, nos Estados Unidos), a Faculdade Anhanguera de Dourados, o Centro de Aquicultura da Unesp, a UFGD e a Unigran.

A realização do evento é da Embrapa Agropecuária Oeste e da UFGD. A co-realização é da Unigran, MS Peixe e Mar&Terra. O evento conta com o apoio da Câmara Setorial da Piscicultura de MS, NUPAQ-MS, UFGD Proext, Nativa Piscicultura, Rações Douramix e JKLAB.

Programação

A programação do evento começou com o Seminário "Avanços Tecnológicos em Aquicultura", durante toda a segunda-feira e na terça-feira pela manhã com palestras sobre os seguintes temas:

"Histórico da pesquisa em aquicultura em MS e grupo de pesquisa em aquicultura", com a pesquisadora Márcia Ishikawa; "Qualidade da água em piscicultura", com a professora da UFGD Márcia Russo; "Bacterioses em piscicultura", com a professora da Caunesp Fabiana Pilarski; "Doenças parasitárias em piscicultura", com os pesquisadores Sandro Loris, da Embrapa Roraima, e Marcos Tavares, da Embrapa Amapá; "Vírus em aquicultura", com a pesquisadora da Embrapa Meio Norte Alitiene Moura; "Fitoquímicos em aquicultura", com as pesquisadoras Edsandra Chagas, da Embrapa Amazônia Ocidental e Cheila Boijink, da Embrapa Amazônia; "Probióticos e Prebióticos", com a pesquisadora da Embrapa Pesca e Aquicultura, Marina Keiko; "Alternativas para o processamento do Pescado de Água Doce", com a professora da UFGD Anela Cavenaghi; "Inspeção pós-morte e zoonoses", com a pesquisadora da Embrapa Pesca e Aquicultura Patrícia Maciel; "Apresentação do projeto Aquasec", com o pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros, Rodrigo Yudi; "Produção e comercialização de alevinos em MS", com a bióloga da Nativa Piscicultura Vera Lúcia Borelli.

Nos dias seguintes, o grupo da pesquisa se reunirá, no laboratório de Piscicultura da Embrapa Agropecuária Oeste, para implementar a padronização de metodologias para análises parasitológicas, análises bacteriológicas e qualidade de água; e no Laboratório de Biologia Molecular da Unigran para realizar as análises em Biologia Molecular. Também farão uma visita técnica à Fazenda da Mar&Terra, empresa especializada na criação e processamento de espécies de peixes nativos brasileiros, como o Pintado e o Pacu, provenientes da região do Pantanal, e o Pirarucu e o Tambaqui, da Amazônia, além da Tilápia "Saint Peter".


Sílvia Zoche Borges

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados