Energia solar no Brasil pode produzir 1.000 megawatts por ano

O deputado Geraldo Resende apresentou nesta terça-feira (25) o Projeto de Lei (PL) 5.823, que estabelece meta anual de acréscimo de 1.000 megawatts (MW) de capacidade instalada de geração de energia elétrica a partir da fonte solar no país. A proposição teria vigência de 20 anos e respeita as viabilidades técnicas e econômicas das concessionárias e distribuidoras.
Na prática, o PL pretende estabelecer as regras de incentivos para a instalação de foto-sensores em residências e fábricas para a geração de energia.
O Projeto prevê também que a responsabilidade da expansão, reforço e otimização da rede elétrica necessários para suportar as novas instalações será das concessionárias. A nova produção energética será adquirida pela empresa de transmissão local. A peça indica a tabela de ressarcimento dos valores de megawatt-hora excedentes.

         Fonte limpa
A Alemanha é o País com maior capacidade instalada para este tipo de produção, possuindo 24.700 GW. Já o Brasil tem capacidade para gerar apenas 7,6 MW, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). "O Brasil está fora desta verdadeira revolução energética. O País recebe cinco vezes mais radiação solar por metro quadrado se comparado à Alemanha", ressaltou Resende.
O que o parlamentar quer estabelecer é uma política que permita o desenvolvimento desta fonte limpa de energia. "Queremos pré-definir valores para a remuneração do valor de energia injetada na rede elétrica. Este é o modelo mais utilizado nos países com os melhores resultados na área", explica.
A proposta, inspirada na experiência alemã, prevê também mecanismos que permitam absorver, em favor dos consumidores de energia elétrica, o rápido decréscimo dos custos de geração fotovoltaica, ou seja, de energia solar. "Nos últimos 10 anos, os avanços tecnológicos permitiram um aumento de 49 vezes na capacidade de geração deste tipo energia", afirmou Geraldo.
"É um projeto estruturante e inteligente, levando em consideração que o período com maior incidência de raios solares, também é o período de menor quantidade de chuva, quando abaixa nossos reservatórios hidroelétricos. Desta forma, estaremos também produzindo energia limpa e mais barata que as termoelétricas, que é a atual alternativa", definiu o autor da proposição.
O parlamentar ainda prevê o adensamento da cadeia produtiva de equipamentos para a geração de energia solar, promovendo a tecnologia, empregos e geração de renda.

Legenda da foto/divulgação:
Geraldo quer regras de incentivos para a instalação de foto-sensores.


Rodrigo Pael
26.06.13

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados