Prefeito de Laguna participa de reunião sobre importação de médicos na Assomasul


Prefeito de Laguna participa de reunião sobre importação de médicos na Assomasul
            O prefeito de Laguna Carapã Itamar Bilibio (PMDB) esteve na tarde da última segunda-feira (8) no plenário da Assomasul em Campo Grande participando de uma reunião convocada pelo presidente da entidade, Douglas Figueiredo para discutir a proposta do governo federal de contratar médicos estrangeiros para atender os municípios brasileiros, estiveram acompanhando o prefeito Itamar a Secretária de Saúde Deide Tamanho e a supervisora de convênios Neyde Ramires Veron.

            Participaram do encontro, o governador, André Puccinelli (PMDB), o presidente do Conselho Regional de Medicina, Luiz Henrique Mascarenhas, o presidente da Associação Médica de MS, Fábio Magalhães, e o presidente do Sindicato dos Médicos do Estado, Marco Antônio Leite, além de diversos prefeitos dos municípios de Mato Grosso do Sul,
Durante o encontro, o governador André Puccinelli se colocou à disposição dos prefeitos e da classe médica no sentido de encontrar uma saída para esse impasse. Particularmente, André disse que a proposta do governo é inviável, é inócua. Ele disse que nesta terça-feira estará em Brasília tentando uma audiência com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, para discutir esse e outros assuntos.
O prefeito Itamar Bilibio se disse preocupado com a situação, “em municípios pequenos como o nosso a contratação de médicos é difícil, são poucos os médicos que estão dispostos a atender o interior, mas temos que tomar alguma medida, pois não podemos deixar nossa população sem atendimento médico”, ressaltou o prefeito.
A Secretária de Saúde Deide Tamanho também se disse preocupada com a situação, mas que a Secretaria de Saúde está fazendo todo o possível para poder atender a população, “estamos procurando da forma legal atender a população com mais médicos, e também estamos proporcionando aos médicos que já atendem o município, melhores condições de trabalho, de modo que eles tenham meios para desempenhar sua função, tendo em vista maior qualidade no atendimento aos pacientes”, salientou a secretária.
Além da discussão sobre a importação de médicos, outro assunto abordado pelo prefeito de Amambai e amplamente debatido pelos demais prefeitos presentes foi a chamada “Fábrica de Atestados Médicos” em relação aos funcionários públicos, todos os prefeito foram unânimes em dizer que a situação além de onerar os cofres públicos ainda impede o desenvolvimento de um bom atendimento do cidadão.



PROPOSTA

No início do ano, os prefeitos apresentaram ao governo federal uma série de demandas na área de saúde. Entre os pontos destacados estava a dificuldade de atrair médicos para as áreas mais carentes, para as periferias das cidades e para o interior.

O Brasil vai sediar, no fim deste ano, uma conferência da Organização Mundial da Saúde para discutir a formação de profissionais da área, sobretudo médicos. Na oportunidade, serão definidos pelos países critérios para ampliação e distribuição de vagas de especialistas e a criação de mecanismos de cooperação internacional para ajudar as nações com baixas proporções de médicos por habitantes a equilibrar a disponibilidade dos profissionais.

Dados do Ministério da Saúde mostram que no Brasil existe 1,8 médico para cada mil habitantes. Na Argentina, a proporção é 3,2 médicos para mil habitantes e, em países como Espanha e Portugal, essa relação é 4 médicos.

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados