UFGD inaugura prédio de Faculdade voltada a indígenas e comunidades do campo na próxima segunda

​A UFGD é uma das poucas instituições federais de ensino do Brasil e de Mato Grosso do Sul a direcionar a sua política de educação superior a comunidades indígenas e do campo. Na segunda-feira (11/08), a Universidade entrega oficialmente o prédio da Faculdade Intercultural Indígena (FAIND), a 11ª Unidade Acadêmica a ser implantada no campus.


Além da inauguração do espaço, a administração central fará o lançamento da segunda etapa de construção do prédio, dando continuidade às obras e aos projetos de consolidação da UFGD. Antes da solenidade oficial, agendada para 8h, haverá o 'batismo' do espaço pelas Etnias Guarani e Kaiowá, momento tradicional da cultura indígena.




"Temos também esse compromisso com as políticas educacionais direcionadas para a cidadania, para a justiça social, com foco nas minorias sociais e étnicas, promovendo a inclusão de pessoas na educação superior", enfatizou o reitor Damião Duque de Farias.
Implantada em maio de 2012, a FAIND surgiu de um diálogo intenso que a Universidade vem realizando com os movimentos sociais ao longo de mais de uma década em prol da defesa da dignidade dos povos indígenas e do campo.



Na FAIND já são oferecidos os cursos de Licenciatura Intercultural Indígena Teko Arandu e a Licenciatura em Educação do Campo. Também já existem duas pós-graduações, Lato Sensu em Educação Intercultural Indígena e Lato Sensu em Gestão Pedagógica para a Educação Escolar Indígena. A Faculdade também realiza pesquisas e ações de extensão junto às comunidades e povos indígenas e do campo, auxiliando a execução de políticas públicas e respeitando seu modo específico de ser, com o objetivo de construir sua autonomia sociocultural e o seu empoderamento político e econômico.


RELEMBRE

Na época de criação da FAIND, o professor Antonio Dari enfatizou que o momento era histórico para a UFGD, para os movimentos sociais e para os indígenas de MS e do Brasil, já que a implantação da Faculdade aprofundaria de forma mais plena e total o compromisso com essas populações. A UFGD passa, então, a assumir um lugar de destaque no cenário brasileiro na formação de acadêmicos indígenas e pessoas do campo.



"Defendemos, ao lado deste importante projeto, o aprofundamento das políticas institucionais afirmativas que possibilitem o ingresso das minorias sociais e étnicas em todos os cursos da UFGD, como indicam as políticas de acesso e permanência já em andamento e em verticalização na Universidade", disse o professor.


O PRÉDIO

A primeira etapa do prédio da FAIND possui 1.537 metros de área construída, com salas de aula, salas de estudo, banheiros, cozinha/copa, área administrativa, almoxarifado, zeladoria, salas multimídia, salas de informática, laboratório de línguas e culturas e sala de vídeo. 

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados