Chuvas dão trégua e prefeitura de Caarapó intensifica ações


Finalmente, tempo firme em Caarapó. Com a trégua, o prefeito Mário Valério (PR) mandou intensificar as ações de recuperação da zona rural e das ruas da cidade. Mas o grande problema é a situação crítica das estradas, pontes e vias urbanas, com o agravante do reduzido parque viário municipal, com poucas máquinas e equipamentos.

Apesar das dificuldades, foram instaladas quatro frentes de trabalho para a execução de serviços na zona rural. "Estamos agindo nos pontos mais críticos, nos locais interditados, para liberar o trânsito", explicou o prefeito Mário Valério. Os serviços estão concentrados nas localidades de vocação agrícola.


Mário Valério lembra que as chuvas destruíram nove pontes em Caarapó, sendo oito delas de responsabilidade do município. "Uma delas, na região da fazenda Santa Helena, já está sendo reconstruída. Fizemos uma parceria com o dono da propriedade, que está nos ajudando", disse o prefeito. Em relação à ponte do córrego Jaguá, na região da fazenda Perpétuo Socorro, o dirigente caarapoense disse que já foi feita uma avaliação dos danos. "O novo projeto já está sendo elaborado, sendo que a reconstrução da passagem será feita no mais curto espaço de tempo possível", disse Mário Valério, acrescentando que a reconstrução das demais entrará em um planejamento elaborado pela Secretaria de Obras para a zona rural.

Para esta semana, máquinas e equipamentos da Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos de Mato Grosso do Sul (Agesul) são esperados para integrar a força-tarefa que atua na zona rural. Recentemente, o prefeito Mário Valério reuniu-se com a coordenadora da 5ª Região do órgão (Ponta Porã), engenheira civil Suzana Lorenzon Wetters, para discutir a parceria. Pelo acordo, os equipamentos da Agesul atenderiam a MS-280 (Caarapó-Laguna Carapã), devendo os serviços se estender para outras regiões, reforçando os trabalhos nas estradas vicinais.

O prefeito Mário Valério, que diariamente visita as áreas rurais e urbanas mais afetadas, pediu paciência aos produtores rurais e à população urbana. "Choveu de forma atípica na região desde novembro do ano passado. Os estragos são grandes, mas aos poucos vamos executando os serviços de recuperação. Isso vai demandar muito tempo, por conta dos poucos recursos e da falta de máquinas. Mas estamos nos esforçando para garantir o escoamento da produção agrícola, base de sustentação da nossa economia", ponderou o prefeito.

Foto: Dilermano Alves

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados