Quase dois mil imóveis já vistoriados pela Saúde nas aldeias de Dourados


A Prefeitura de Dourados, através da Secretaria de Saúde e parceiros, inspecionou 1.916 imóveis durante os quatro dias de trabalho nas aldeias Jaguapiru e Bororó, na semana passada. A ação, que começou na segunda e terminou na quinta-feira, fez um verdadeiro arrastão, retirandolixo, mato, entulhos e materiais recicláveis. Foram localizados pelo menos 115 focos do mosquito Aedes aegypti em recipientes com água parada, que foram eliminados com larvicida.
O mutirão contou com o trabalho dos agentes de endemias do CCZ (Centro de Controle de Zoonozes), servidores de serviços gerais da Semsur (Secretaria Municipal de Serviços Urbanos) voluntários da Ong Observatório dos Direitos Indígenas, Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), lideranças indígenas e Exército, Polícia Militar e Guarda Municipal.

Segundo a coordenadora do CCZ, a bióloga Rosana Alexandre da Silva, inicialmente o trabalho estava previsto para acontecer em dois dias, mas por causa do grande número de focos localizados, o trabalho de inspeção nas aldeias teve que continuar quase toda a semana.
Foram feitas roçadas em terrenos de escolas, residenciais, postos de saúde, associações, na Vila olímpica, postos de saúde, igrejas, campos de futebol, no hospital da Missão Caiuás e na rotatória. Nesses locais também foram retirados materiais recicláveis e entulhos, através das caçambas e caminhões disponibilizados pela Semsur (Secretaria Municipal de Serviços Urbanos) e Exército.
A orientação foi o alvo principal da ação. "fizemos a limpeza, mas principalmente, orientamos os moradores para continuar mantendo seus imóveis limpos e evitar a criação de focos do mosquito", disse Rosana Alexandre.
Nos locais mais críticos os servidores da Semsur fizeram a limpeza, com roçada, retirada de lixo e entulhos. A Semsur disponibilizou pelo menos dez caçambas para os moradores recolherem materiais recicláveis, que podem acumular água parada.
Além de todo o trabalho de limpeza, foi feito a pulverização de inseticida com o carro fumacê para eliminar o mosquito adulto.
A força-tarefa contra o Aedes aegypti não tem data para terminar em Dourados. Com isso as ações continuam sistematicamente. A coordenadora do CCZ, a bióloga Rosana Alexandre da Silva, lembra que o objetivo dos mutirões é sensibilizar e conscientizar a população da importância do comprometimento de cada um ao manter limpos seus imóveis para que não haja depósitos propícios para proliferação do mosquito Aedes aegypti, que transmitem a Dengue, Leishmaniose, Febre Chikungunya e Zika Vírus.
MUTIRÕES
Conforme o cronograma do CCZ, nesta segunda-feira acontece o trabalho de rotina com visitas e orientações nas residências pelos agentes de endemias. Na terça-feira, 23, das 7h às 11h, os Agentes de Endemias participarão de uma oficina de Sensibilização para o Enfrentamento ao Mosquito Aedes, realizada pela Escola Técnica do SUS-ETSUS- "Professora Ena de Araujo Galvão vinculada a secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul.
Na quarta, quinta e sexta-feira desta semana, o CCZ vai realizar mutirões nos distritos de Dourados. Será disponibilizado um ônibus para o transporte dos agentes de endemias, com saída as 7h da Praça Antônio João, passando pelo Terminal Rodoviário, Clube Ubiratan e Monumento ao Colono.
Os primeiros mutirões serão realizados das 7h às 17h em Vila Vargas, Vila Formosa e Vila Macaúba, com a participação de 55 agentes de endemias. Na quinta-feira é a vez dos distritos de Indápolis, Vila São Pedro, Panambi com a participação de 50 agentes de endemias. Na sexta-feira, 26, o mutirão será realizado no distrito de Itahum, com a participação de 30 agentes de endemias. No sábado, será realizado trabalho de rotina no Jardim São Pedro, das 07h às 12h.

Mais lidas

Faculdades de Medicina no Paraguai: Universidade USCA abre 280 vagas para curso de medicina e inscrições já estão abertas.

Veja a relação dos candidatos a vereador em Dourados com número que aparece na urna

Proprietários são notificados para adequação das calçadas em Dourados